Postado em: 13/09/2021

CEFET-MG celebra 111 anos com exposição virtual

Ao completar 111 anos de atuação na educação profissional, a Instituição tem muitas histórias para compartilhar


As memórias sobre as práticas ao longo dos séculos XX e XXI, os espaços que ocupou em Belo Horizonte e no interior e as trajetórias das pessoas que fizeram parte da construção do CEFET-MG serão revisitadas na exposição virtual “Memória CEFET-MG: espaços, trajetórias e práticas. A exposição marca o aniversário de 111 anos de funcionamento da Instituição, embora sua história tenha tido início com a criação de uma rede de escolas profissionais, a partir do Decreto nº 7.566, de 23 de setembro de 1909, em que o então presidente Nilo Peçanha criou as Escolas de Aprendizes Artífices em 19 capitais do país.
 
A exposição ( www.memoria.cefetmg.br/) é uma iniciativa do Departamento de História (DHIS), em parceria com a Coordenação de Arquivo e Memória Institucional (ARQMI), e mostra as diferentes épocas da Instituição em um passeio lúdico por imagens e documentos que marcaram a história desde a Escola de Aprendizes Artífices até o Centro Federal de Educação Tecnológica.
 
A comissão que realizou a curadoria uniu documentos impressos e visuais do acervo da Instituição com material enviado por pessoas que contribuíram para construir a exposição. O público perceberá um olhar diversificado sobre a história e a memória da CEFET-MG e das escolas que o originaram, valorizando não apenas os fatos que marcaram as mudanças de nome, vocação, atributo legal e sedes da instituição, mas apresentando as diferentes formas e espaços da experiência das pessoas ao longo do tempo.
 
História
 
A Escola de Aprendizes Artífices começou a funcionar em 8 de setembro de 1910, com o objetivo de garantir aos “filhos dos desfavorecidos da fortuna” o seu próprio sustento por meio da aprendizagem de ofícios. O espaço escolar e das oficinas foi improvisado no antigo prédio do Clube Floriano Peixoto, na Avenida Afonso Pena, 1.533.
 
Desde o início, as práticas demonstram que o papel da Instituição seria mais amplo do que estritamente uma formação profissional para o mercado de trabalho. Nesse sentido, as práticas culturais, políticas, sociais e científicas ampliaram os horizontes de atuação dos anos iniciais de sua implantação aos dias atuais. Um bom exemplo são as práticas voltadas para a permanência dos estudantes na escola. Da merenda escolar implantada em 1926 aos atuais programas de bolsas de assistência estudantil, bolsas de pesquisas e eventos institucionais para a divulgação da produção científica e cultural realizados na instituição, percebe-se a importância e amplitude da atuação e práticas do CEFET-MG na educação pública.
 
Exposição virtual: www.memoria.cefetmg.br/

Mais lidas

Enquete

O que você quer ver no site do Correio ?