Postado em: 26/08/2020

Copasa aposta em educação ambiental em Araxá para transformar o futuro

As atividades do programa Chuá contemplam oficinas promovidas dentro das escolas públicas.

Foto Ilustrativa/Copasa

“Se você quer educar o mundo, comece com as crianças”. Esta foi a frase enfatizada por Cordélia Veloso, diretora da Escola Municipal Antônio Augusto de Paiva, situada na zona rural de Araxá. Trata-se de uma das instituições de ensino que está presente na região da Unidade de Negócio Oeste (UNOE) e que foi beneficiada com as oficinas do Programa Chuá Socioambiental. Criado pela Copasa em 2016, o programa tem como finalidade desenvolver atividades de sustentabilidade ambiental em Minas Gerais e transformar o futuro das novas gerações.

O Programa Chuá de Educação Sanitária e Ambiental, desenvolvido há mais de 30 anos pela Companhia, levava os estudantes para conhecer as Estações de Tratamento de Água (ETA) e de Esgoto (ETE) dos municípios, para evidenciar a importância do saneamento básico. Extensão deste Programa, o Chuá Socioambiental visa à sensibilização e à conscientização das comunidades pertencentes às microbacias dos municípios que as integram, levando informações e conhecimento sobre a relação entre saúde, saneamento e meio ambiente. É custeado pelo Pró-Mananciais, com a aprovação da Agência Reguladora dos Serviços de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário de Minas Gerais (ARSAE-MG).

Com 50 anos de experiência na área educacional, Cordélia Veloso relatou, em julho de 2020, que depois das oficinas realizadas em seu colégio, em 2018 e 2019, notou uma mudança no comportamento dos estudantes: “Percebi que os alunos agora têm mais consciência, estão cuidando do ambiente em que vivem e incentivando os mais velhos a fazerem o mesmo. O caminho por onde eles passam para chegar até a escola tem menos lixo. Depois das atividades, as famílias têm até mais plantinhas em casa”, ressalta.

A gestora também afirmou que em sala de aula, nas disciplinas de Ciências, Geografia, História e Português, os professores trabalham constantemente questões ambientais. Esses trabalhos, segundo Cordélia Veloso, destacam a importância de cada um fazer a sua parte para zelar pelo planeta e estimulam a aplicação do conteúdo à prática. 

Solidariedade

Nos dois anos em que os integrantes da Equipe Socioambiental Oeste (USAO), Dênis Ferreira e Fauster Bernardes, estiveram na escola, eles discutiram e debateram com os alunos e os professores a importância de consumir água de maneira consciente e a razão pela qual não devemos poluir rios e nascentes. Em várias oficinas, mostraram também o papel que as matas ciliares e reservas ambientais representam em suas regiões.

As atividades, que foram realizadas gradativamente entre os meses de maio e dezembro, reuniram 40 alunos com faixas etárias de 11 a 17 anos, que compõem as turmas do 6° ao 9° ano do Ensino Fundamental. A primeira delas foi a Campanha de Recolhimento do Óleo de Cozinha, por meio da qual foi possível recolher 20 litros de óleo usado. Os alunos aprenderam a fazer sabão dos resíduos e o resultado final foi de 40 tabletes e 10 litros de sabão líquido.

Em seguida, foi realizada a Campanha da Cadeira, etapa em que foram coletadas oito garrafas pets (dois litros) cheias de lacres de latinhas para auxiliar na troca por uma cadeira de rodas.

Na sequência os alunos participaram da Feira Verde, na qual trocaram, entre si, 30 mudas variadas de plantas frutíferas, medicinais e ornamentais. A atividade foi precedida pela Feira do Desapego, estágio no qual os discentes trocaram, uns com os outros, aproximadamente 30 peças entre roupas, sapatos e cintos.

E, por fim, foi promovida a Oficina de Notícias, em que os estudantes falaram sobre alguma situação de cunho ambiental que lhes chamou a atenção durante o trajeto deles de casa para a escola.

 Além de todas essas atividades, por meio de uma parceria com a empresa Partners Comunicação Pro Business, os alunos desenvolveram uma pintura no muro da Escola Municipal Antônio Augusto de Paiva, retratando os seguintes temas: “O Caminho das Águas”, “Memória das Águas” e “Sujeitos da Transformação”.

Dênis Ferreira ressaltou a importância de se trabalhar assuntos voltados para a preservação ambiental desde cedo. “O Chuá Socioambiental está dentro das ações do Pró-Mananciais. Eu fiquei muito feliz porque os alunos da cidade têm muitos projetos, mas os da zona rural nem tanto. E são eles que vivem o dia a dia, por residirem na microbacia que abastece o município de Araxá”, explica.

Segundo Dênis, a escola realizou todas as etapas do programa e foi certificada como Escola Amiga do Meio Ambiente, uma certificação da Copasa que busca o fortalecimento de hábitos ambientais.

Mais lidas