Postado em: 28/08/2020

Museu Dona Beja foi reinaugurado

Espaço estava fechado a cerca de 6 anos.

Foto/Redação

Após permanecer cerca de 6 anos fechado, o Museu Dona Beja foi novamente reaberto ao público na última quinta-feira (27), data de sua reinauguração. As obras foram de responsabilidade da Prefeitura, que também passou a ser a proprietária do imóvel. A estimativa é que no local tenha sido investido cerca de R$ 1,5 milhão.

A reforma começou em novembro de 2019, o casarão antigo passou a contar com elevador, rampas e banheiros com acessibilidade e, um deck na parte da frente. O telhado também teve todo o madeiramento trocado e foram mantidas as cores tradicionais da época (azul e branco), além de elementos que remetem ao século XIX.
 

Veja abaixo um pouco da história do casarão conforme relatos da revista “O Trem da História”.

 

Histórico: Possivelmente, o sobrado que hoje abriga este Museu, seja um daqueles dois existentes em Araxá, citados pelo naturalista francês August de Saint-Hilaire, quando por aqui passou em 1819.

O sobrado de estilo simples pode ser considerado como característico da arquitetura colonial brasileira. Possui no piso térreo nove repartições e pátio interno. O piso superior comporta doze repartições e varanda.

O certo é que, na década de 1830, já estava registrado em documentos como propriedade do Capitão Antônio José de Araújo, um dos primeiros cessionários de terras no sertão dos Araxás.

O sobrado aparece mencionado, em 1834, como sendo vizinho das casas que Dona Anna Jacintha de São José (Dona Beja) adquiriu na atual Rua Cônego Cassiano.

Após a morte do Capitão Antônio José de Araújo e de sua mulher Herculana Cândida de São José, em 1861, o prédio foi vendido pelas herdeiras Herculana Cândida e Antônia Cândida de São José ao Sr. Marcelino Manoel Teixeira. Em 1880, com o falecimento deste, seu filho Antônio Affonso Teixeira comprou o sobrado dos demais herdeiros pelo preço de 3 contos e 800 mil réis.

Em 1894, no inventário de Antônio Affonso Teixeira, o casarão foi avaliado em l conto e 500 mil réis, valor inferior ao de 14 anos antes. Entre os diversos fatores que contribuíram para sua desvalorização estavam a deterioração sofrida após 60 anos de construção, a crise econômica de Araxá no final do século XIX e a transferência dos estabelecimentos comerciais para a Rua da Direita, que passou a ser chamada de Rua do Comércio.

A partir de então, o sobrado teve diversos proprietários, aliando funções comerciais e residenciais, até finalmente se tornar sede do Museu Dona Beja, em 1965.

 

O MUSEU

Sua proposta museológica é a construção da história de Araxá – da pré-história à atualidade – através de seus diferentes aspectos econômicos, sociais, políticos e culturais. Dessa forma pretende-se devolver à comunidade a história que ela própria fez e divulgá-la aos visitantes.

O Museu foi fundado em 1965 por Assis Chateaubriand, como o primeiro de uma série de museus regionais que criou pelo Brasil. Após a morte do fundador, sua empresa jornalística assinou convênio com a Prefeitura Municipal, que passou a responsabilizar-se pela instituição. Em 1986, o Museu foi municipalizado pela Lei Nº 2.041, passando a fazer parte do patrimônio da cidade. No ano seguinte, depois de restaurado, sob a supervisão do IEPHA – Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico – foi definido tematicamente como museu histórico, segundo projeto desenvolvido pelos técnicos da Superintendência de Museus do Estado, com base nas pesquisas do então Departamento de Patrimônio Histórico da Fundação Cultural Calmon Barreto.

Em 1990, o prédio e o acervo foram tombados por Lei Municipal, estando atualmente vinculado administrativamente ao Setor de Patrimônio Cultural da Fundação Cultural Calmon Barreto.

Em 1998, o Museu passou por obras de ampliação e reforma. Através de Lei Municipal teve seu nome alterado para Museu Histórico de Araxá – Dona Beja. Em 2001 foi aberto ao público a 1ª etapa do “Lugar de Memória” e em 2002 a 2ª etapa. Trata-se de um espaço destinado a homenagear os cidadãos que fizeram parte da história de Araxá. Em 2003 reestruturou-se o 2º piso, criando o “Quarto de Beja” e novas ambientações do séc. XIX.

Apesar das intervenções sofridas o prédio conseguiu manter praticamente intactas as suas características arquitetônicas originais.

O Museu Histórico de Araxá – Dona Beja está fechado desde setembro/2014, para restauração.

A Prefeitura Municipal de Araxá adquiriu o sobrado em 05/05/2017.

A empresa Século 30 Arquitetura e Restauro elaborou o Projeto de Restauração do Museu Histórico de Araxá – Dona Beja que será encaminhado ao MinC – via Lei Rouanet para liberação de recursos para execução das obras.

 

 Fonte: Boletim informativo O Trem da História n.º 18, jul/dez/1998, p. 5 a 8.

Mais lidas