Postado em: 13/05/2020

Polícia Civil identifica motorista que atropelou idoso no Bairro Santo Antônio

O crime ocorreu há quase um ano na Rua Terêncio Pereira. A vítima foi socorrida em estado grave e morreu meses depois.

Foto/Polícia Civil

O idoso de 71 anos foi atropelado no dia 25 de maio de 2019 na Rua Terêncio Pereira e chegou a ser socorrido em estado grave, mas faleceu meses depois. O motorista do veículo fugiu sem prestar socorro, porém as investigações apontaram que se tratava de um veículo Celta.

Desde o ocorrido, devido à baixa qualidade das imagens de câmeras de segurança obtidas pela Polícia Civil, não foi possível identificar a sequência alfanumérica da placa. Diante disso, foram identificados dezenas de veículos com características semelhantes. Houve vistoria em todos eles e todos os proprietários dos automóveis também foram ouvidos. “Ao final, chegamos em 17 veículos semelhantes ao que atropelou o idoso.  Em um deles, os policiais encontraram vários indicativos de que se tratava do Celta que atropelou e matou o pedestre”, contou o Delegado de Trânsito, Dr. Renato de Alcino Vieira.

Ainda segundo ele, a partir de imagens de “antes e depois” do crime no veículo suspeito, os investigadores detectaram amassamentos e danos no farol do lado direito causados depois do choque contra o idoso. “Depois do acidente, um dos faróis sofreu mudança no feixe de luz”, informou o Delegado.

Apesar de negar o atropelamento, o proprietário do carro admitiu que é a única pessoa que dirige o automóvel. Os policiais confirmaram que na data do crime o suspeito foi até a casa do filho, situada no Bairro Santo Antônio.  A Polícia Civil também constatou que além da residência do filho, o endereço onde o automóvel está registrado também é localizado na região do Bairro Santo Antônio. “O trajeto para os dois endereços coincidiu com aquele usado pelo suspeito em outras datas. Foi avaliado que o motorista fugiu por não possuir carteira nacional de habilitação”, destacou o Delegado.

O investigado foi indiciado por homicídio culposo, com agravamento da pena por ter fugido sem prestar socorro e não possuir carteira de habilitação, nem permissão para dirigir veículos automotores. “A penalidade poderá alcançar seis anos de detenção, além da proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor”, disse.

O inquérito será remetido à Justiça Pública.

 

Mais lidas