Postado em: 11/08/2020

Operação da Polícia Civil combate desvios de recursos públicos e prende cinco pessoas em Araxá 

Entre os detidos estão três servidores públicos.

Foto/Redação

 

A operação "Malebolge" foi deflagrada na manhã da última terça-feira  (11), pela Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) para cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão na cidade de Araxá, em razão de uma investigação de possível desvio de recursos públicos a partir de contratos de prestação de serviços de transporte. Segundo informou o Delegado responsável, Dr. Renato de Alcino Vieira, naquele dia, cinco pessoas foram presas, entre elas três servidores públicos vinculados ao Executivo Municipal e, os outros dois, sócios de uma empresa de locação de vans e micro-ônibus que está sendo investigada.

Além dos mandados de prisão temporária, foram expedidos 23 mandados de busca e apreensão de veículos e, outros 10 mandados, que foram cumpridos tanto na área urbana, quanto na zona rural. Nas residências dos envolvidos, foram apreendidos documentos contábeis, equipamentos eletrônicos, dinheiro e joias.

Segundo o Delegado, o esquema mantido pelos investigados incluía fraudes em licitações de uma empresa que prestava serviços de transporte ao município.  “Vencida a licitação, era emitia uma ordem de serviço para que essa empresa realizasse viagens e, nesse sentido, depois da viagem supostamente realizada, eram emitidos relatórios. Feito isso, os valores eram transferidos por meio eletrônico para a empresa e essa empresa repassava parte para o grupo criminoso. Identificamos que havia naquelas circunstâncias determinadas execuções de viagens que não se concretizavam”, explicou.

Ainda segundo ele, “a polícia e a Prefeitura não encontraram indícios e nem elementos que comprovassem a execução das viagens indicadas” – destacou.

A operação contou com um grande número de policiais e, teve ainda, apoio do Ministério Público (MPMG), do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), entre outros. Ainda de acordo com o Delegado, a operação "Malebolge" culminou no bloqueio de 16 imóveis, incluindo uma fazenda em nome de um dos sócios da empresa. Segundo a investigação, parte dos bens está no nome dos investigados e, outra parte, em nome de terceiros, no chamado “contrato de gaveta”, sem registro público. Outros 23 veículos foram bloqueados e, outros 20,  foram apreendidos. Segundo o Delegado, o valor estimado dos bens apreendidos e bloqueados ultrapassa R$ 2 milhões. A investigação também trabalha com um valor aproximado de R$ 5 milhões no denodo de contrato da empresa investigada.

A operação envolveu 97 policiais e 32 viaturas.

“As pessoas que nós encontramos e achamos indícios delas terem envolvimentos nesse esquema estão hoje presas. Todas as pessoas que avaliamos que têm envolvimento nisso, estão hoje na situação de bloqueio de bens. As pessoas que não estão nessa condição, é porque não encontramos elementos para isso”, esclareceu Dr. Renato Alcino.

Os cinco suspeitos detidos na operação foram encaminhados para o Presídio de Sacramento.  

 

*** Reportagem atualizada  9h desta quarta-feira (12).

 

Mais lidas