Postado em: 03/09/2020

Coordenadora de instituição que cuida de deficientes em Araxá presa na Operação Malebolge continua no Presídio de Sacramento

Outras duas pessoas que trabalham no administrativo e, que também foram presas, prestaram depoimento e foram liberadas.

Foto/Redação

A Operação Malebolge que apura desvios de recursos públicos de Araxá prendeu na tarde da última quarta-feira (2), mais três pessoas. Segundo o Delegado Presidente do Inquérito - Dr. Renato Alcino, foram cumpridos três mandados de prisão temporária e dois de busca e apreensão.  

O Delegado informou ainda que foram alvos desta terceira fase da operação, pessoas que atuam em entidades, suspeitas de desvios de recursos públicos destinados a projetos sociais. Ainda segundo Dr. Renato Alcino, “a empresa de dois empresários que já  estão presos, está envolvida no esquema criminoso”, contou. 

Em coletiva de imprensa nesta manhã (3), o Delegado Presidente do Inquérito e a representante do Ministério Público de Araxá, Promotora de Justiça - Dra. Mara Lúcia Silva Dourado deram mais detalhes sobre a terceira fase da operação. Segundo eles, a investigação apura desvios de recursos oriundos do Fundo Municipal do Idoso e a instituição em questão, onde os envolvidos presos nesta etapa  trabalhavam, que presta serviços relacionados à deficientes em Araxá, teria relação com a mesma empresa investigada na primeira fase da Operação Malebolge. Segundo informou o Delegado e  a Promotora, eram emitidas notas por um serviço de transporte contratado da empresa investigada, mas esses serviços não eram prestados e a empresa recebia por isso.

Entre os presos está a coordenadora da instituição  investigada que cuida de deficientes em Araxá.  Ela foi encaminhada para o Presídio de Sacramento e os outros dois presos que trabalhavam na parte administrativa da entidade foram ouvidos e liberados, já que a Polícia Civil percebeu que ambos não tinham uma participação maior no esquema. "A coordenadora segue presa no Presídio de Sacramento e amanhã ela será interrogada", contou Dr. Renato Alcino. 

Ainda segundo o Delegado, um empresário está foragido e diligências acontecem neste momento para prendê-lo. A suspeita é que ele também tenha feito fraudes em licitações. 

Mais lidas