Postado em: 20/08/2020

Bombeiros da 2ª Cia de Araxá integram força tarefa para combate a incêndio de grandes proporções na Serra da Canastra

Fogo começou no último domingo (16) e, até a última quarta-feira (19), já havia queimado mais de 14 mil hectares.

Foto/Corpo de Bombeiros Araxá

O incêndio que ocorre dentro do Parque Nacional da Serra da Canastra desde o dia 16 de agosto, conta com esforços de dois integrantes do Corpo de Bombeiros de Araxá, Capitão Augusto e Sargento Ricardo.

Quase 70 brigadistas estão trabalhando no local. Um ‘Posto de Comando’  foi montado na região. Helicópteros do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais e drones ajudam na operação. Segundo os integrantes do Corpo de Bombeiros de Araxá, vários órgãos auxiliam na ação (como PM, ICMBio de diversas Unidades do país, IEF). Até a última quarta-feira (19), a estimativa era que mais de 14 mil hectares haviam sido queimados, o que representam cerca de 7% da área total do Parque.  Ainda na quarta-feira, a equipe realizou um sobrevoo em toda a área do Parque,  a fim de identificar os focos de incêndio e os locais que careciam da atuação das equipes que estão empregadas na ocorrência.

Foi identificado um foco na região conhecida como Jacó e Vale dos Cândidos onde foi empenhada uma equipe que foi alocada por meio de transporte aéreo. Também foram empenhadas guarnições na região conhecida como ‘Gurita’, sendo uma equipe alocada com transporte aéreo e duas com transporte terrestre.

Em um segundo sobrevoo naquele mesmo dia,  foram identificados outros focos com pontos de atenção no local conhecido como Alto da Maria Concebida, sendo que para esse local,  foram empenhados mais 6 combatentes para fazerem frente ao trabalho. “A situação no atual momento é considerada estável, carecendo ainda de  ações de monitoramento. É importante frisar que a área comprometida do incêndio foi estimada em torno de 14 mil hectares, que representa cerca de 7% da área total do Parque”, informou o Corpo de Bombeiros de Araxá na última quarta-feira (19).

As equipes do Corpo de Bombeiros, ICMBIO e demais órgãos de apoio permanecem em monitoramento e controle dos focos aguardando a evolução para tomada de novas ações, caso necessárias.  Três pontos foram definidos para lançamento de água pelos helicópteros que apoiam as operações, os quais foram determinados em conjunto com os órgãos que participam da ação de resposta à ocorrência.

 

Mais lidas