Quarta-Feira, 20 de Março de 2019
 
 
Cuidados com o Aedes devem ser intensificados ‘pós-folia’
06-03-2019 | Créditos: foto/ ascom prefeitura/ arquivo jornal

Depois de aproveitar a folia no feriado de Carnaval, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) reforça a importância das medidas de prevenção para evitar a proliferação do Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika vírus e chikungunya. As ações devem ser adotadas pela população em casa durante todo o ano e reforçadas nesta época, uma vez que as altas temperaturas e as chuvas facilitam a circulação do vetor.

A coordenadora estadual do Programa de Controle das Doenças Transmitidas pelo Aedes da SES, Márcia Ooteman, recomenda que a população vistorie sempre as suas casas para acabar com possíveis criadouros do mosquito, principalmente em épocas pós-festas como o Carnaval.

“A eliminação de tudo que acumula água nos domicílios é fundamental para evitar a proliferação do mosquito. Para as pessoas que vão viajar no feriado e as residências ficarão fechadas, é importante limpar anteriormente as bandejas da geladeira e ar-condicionado, tratar a piscina e fontes de água com cloro, deixar os ralos limpos e vedados e manter o vaso sanitário tampado. Estas são ações fundamentais para contenção dos focos de reprodução do vetor”, exemplifica a coordenadora.

Dados do Levantamento Rápido de Índices de Infestação para Aedes aegypti (LIRAa), apontam que 80% dos criadouros do mosquito estão dentro dos imóveis residenciais. Portanto, para as pessoas que irão aproveitar feriados como o Carnaval para viajar, mesmo em uma ausência curta, é preciso estar atento, pois o ciclo de reprodução do mosquito, do ovo à forma adulta, costuma levar de 5 a 10 dias.

Dengue em Araxá

Atualmente o município já está com 162 notificações da doença, sendo que 20 casos são positivos. Os dados são referentes ao último levantamento feito no dia 23 de fevereiro pela Secretária Municipal de Saúde. Os  números preocupam a Saúde e são maiores do que os índices registrados no mesmo período de 2018, onde foram registadas 76 notificações e 1 caso positivo.

 
Faça a sua parte

- Elimine latas, embalagens e qualquer outro recipiente que possa acumular água e servir como criadouro do mosquito;

- Verifique se a caixa d’água ou cisterna estão vedadas. Pequenas brechas em tampas, lonas ou tábuas podem permitir a passagem do mosquito fêmea;

- Mantenha calhas limpas, pneus sem água e em lugares cobertos;

- Mantenha garrafas e baldes vazios e com a boca virada para baixo. Essas e outras pequenas ações podem evitar o nascimento do mosquito;

- Lave recipientes, como tanques e bebedouros de animais, com água e sabão, utilizando uma bucha. Os ovos do mosquito podem ficar aderidos às laterais internas e externas dos recipientes por até um ano sem água. Se durante esse período os ovos entrarem em contato com água, o ciclo evolutivo recomeça.

 

 

Jornal Correio de Araxá - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Juliano Martins