Domingo, 20 de Outubro de 2019
 
 
Projeto do Detran leiloou 3.284 veículos nos últimos três anos
04-10-2019 | Créditos: foto/arquivo jornal

A Polícia Civil, em Araxá, apresentou o resultado do leilão ocorrido na última terça (1º). A ação fez parte do Projeto Renovar, uma parceria entre a iniciativa privada e o Estado para realizar a venda pública de veículos apreendidos. Estima-se que mais de seiscentas pessoas compareceram ao leilão, ocorrido no Shopping Boulevard Garden. Foram vendidos 352 veículos, sendo 261 considerados conservados (que podem voltar a circular) e 96 sucatas (retirada de peças). Apenas 27 veículos não foram arrematados, todos sucatas. O somatório dos lances alcançou R$759.350,00.

Os trabalhos foram abertos às 10h pelo Delegado Regional, Dr. Vitor Hugo Heisler, que agradeceu a presença de todos, destacou o apoio da equipe de leilão do Detran-Belo Horizonte e dos parceiros privados e enalteceu o trabalho que vem sendo realizado pela equipe do Detran, em Araxá. Na sequência, a Comissão de Leilão iniciou os trabalhos, que foram conduzidos pelos leiloeiros administrativos Giovanni Garcia e Carlos Moreira.

De acordo com a Comissão de Leilão, não houve qualquer problema durante os trabalhos, apenas pequenos incidentes que foram resolvidos pelo presidente. O leilão terminou às 15h30, quando foram encerrados os trabalhos e anunciado que, provavelmente, novo leilão deverá acontecer em março de 2020.

Projeto Renovar

O leilão acontecido na última terça-feira (1º) é decorrente do projeto Renovar, firmado pelo Estado com a iniciativa privada, tendo o apoio do Consep-Araxá, Poder Judiciário e Ministério Público. Desde 2017, quando iniciou-se o projeto, já foram leiloados 3.284 veículos e arrecadado mais de quatro milhões de reais.

“Tornar os leilões regulares reduz o número de veículos nos pátios das empresas credenciadas, possibilitando a fiscalização do Detran e da Prefeitura Municipal, além de aquecer o mercado automotivo e de peças. Possibilita, ainda, diminuir a frota inativa, de veículos que não têm mais condição de circulação (as sucatas vendidas são baixadas nos sistemas do Detran), promovendo a renovação da frota. Os valores arrecadados recebem destinação de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro. Primeiro, são pagas as despesas do leilão, estadia e remoção, na sequência os débitos com a administração pública, como tributos, taxas, multas, entre outros.  Caso haja valor remanescente, ele é revertido ao proprietário, mas isso acontece raramente”, contou o Delegado de Trânsito e responsável pelo Leilão, Dr. Renato de Alcino Vieira.

Jornal Correio de Araxá - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Juliano Martins