Prefeitura
Postado em: 11/05/2022

Sintomas do AVC: Saiba identificar

Kompleta Comunicação

Antes de tudo, vamos aos números. O acidente vascular cerebral é a segunda maior causa de morte no mundo. Só no Brasil cerca de 100 mil mortes aconteceram devido à doença em 2015.

Por isso é tão importante conhecer os sintomas do AVC.

Contudo, você provavelmente já ouviu falar do “derrame” e é possível que conheça alguma pessoa que teve. Por outro lado, informação também é saúde e conhecer a fundo esse problema pode evitar que histórias assim se repitam.

Para falar sobre o assunto, convidamos o Dr. Lauro Figueira Pinto, neurologistado Hospital Santa Clara para explicar mais sobre o tema.

 

O que é e por qual motivo acontece o AVC?

O AVC (Acidente Vascular Cerebral) é um déficit neurológico que acontece de modo repentino. Em outras palavras, é o que conhecemos como “derrame”.

Ele afeta o suprimento de sangue, oxigênio e outras coisas importantes para manter o funcionamento normal do cérebro.

Entretanto, é importante frisar que 80% dos casos podem ser evitados através do controle de risco, como:

  • Não fumar e evitar o uso excessivo de bebida alcoólica;
  • Controle dos níveis de Pressão, Glicose (Diabetes) e Colesterol;
  • Exercicios fisicos regulares evitando a obesidade

Embora possa acontecer com qualquer pessoa, desde crianças até idosos, há pessoas com maior chance de ter, quando falamos sobre os fatores que são não-evitáveis, como sexo, idade e genética.

 

Quais os tipos de AVC?

São 2 tipos de AVCs, e por mais que se assemelhem, cada tipo demanda um tratamento e orientação médica diferente.

 

1- AVC Hemorrágico

É quando um vaso rompe e causa um sangramento no cérebro.

O tratamento em geral é de suporte com internação em UTI, monitorização e controle da pressão.

Contudo, em alguns casos em que o sangue está pressionando o cérebro, pode ser necessária cirurgia.

 

2- AVC Isquêmico

O AVC isquemico é o mais comum, respondendo por mais de 80% dos casos.

Ele se deve a uma obstrução em um vaso, interrompendo o fluxo de sangue para o cérebro.

O tratamento pode ser feito através de medicação infundada na veia e que dissolve o coágulo – o que chamamos de trombolise endovenosa.

Outra possibilidade é a inserção de um cateter até o vaso entopido na cabeça do paciente, com sua retirada mecânica – conhecido como trombectomia.

Ambas as técnicas tem amplo benefício reduzindo a incapacidade gerada pelo AVC.

É necessário agilidade pois a trombolise funciona se feita até 4,5 horas do inicio dos sintomas do AVC e a trombectmia tem seu tempo ideal nas primeiras 6 horas, podendo ser feita em casos selecionados em até 24hs.

 

Quais são os sintomas do AVC?

Os sintomas do AVC podem variar de acordo com a área do cérebro afetada e tipicamente surgem de forma subida / abrupta.

Os sintomas mais típicos do AVC são a alteração de força e da fala.

Por isto se você presenciar alguém sentindo-se mal, recomendamos fazer o seguinte teste (SAMU):

  • SORRISO: verifique se a boca ficou torta.
  • ABRAÇO: Note se há perda de força em um dos braços ou se é difícil levantar os dois.
  • MÚSICA: Observe se há dificuldade para falar ou se a fala está embolada.
  • URGÊNCIA: Se a vítima não conseguir fazer as tarefas, ligue para o Serviço de urgência imediatamente (Lembre-se do Número: 193)!

Outros sintomas que, se desenvolvidos de forma súbita, também devem ser investigados por suspeita de AVC:

– Alteração visual de um ou dos dois olhos

– Alteração da sensibilidade ou força em um dos lados do corpo

– Perda de equilíbrio, dificuldade de coordenação ou dificuldades para andar

– Dificuldade para falar, repetir ou entender

– Dor de cabeça forte e súbita (atinge intensidade máxima em até 1 minuto)

– Alteração do nível de consciência, com sonolência ou coma.

 

O que fazer em causa de suspeita de alguém ter sintomas do AVC?

Entre imediatamente em contato com o Serviço Médico de Urgência (SAMU / SIATE / Corpo de Bombeiros) pelo número 193..

Ele irá levar o paciente ao hospital mais próximo rapidamente, evitando o risco de sequelas graves!

“É muito importante estar atento aos sinais e procurar ajuda médica rapidamente. O atendimento inicial ajuda evitando a morte e também amenizando as sequelas. O tempo de tratamento varia, mas sem dúvidas, quem demora mais para ir ao médico corre muito mais riscos”, alerta o neurologista.

Além disso, uma pessoa pode sofrer mais de um AVC na vida. Por isso é importante se cuidar.

 

Assista o Santa Clara Responde sobre AVC!

Em abril, o Hospital Santa Clara realizou o programa Santa Clara Responde, com a presença de três especialistas para falar sobre o AVC e tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto. Clique aqui e confira tudo em primeira mão.

Mais lidas