Postado em: 20/07/2021

Polícia Civil prende ex-tesoureiro da APAC

Profissional é acusado de desviar recursos da entidade

Assessoria de Comunicação Polícia Civil

   Investigadores da 2ª Delegacia Regional de Polícia Civil (2ª DRPC), sediada em Araxá, prenderam nesta semana o ex-encarregado de tesouraria da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados de Araxá (APAC). D.M.O., de 35 anos, é acusado de desviar recursos da entidade, no período em que atuava no setor. O pedido de prisão preventiva foi feito pelo delegado Christiano de Rezende Dib, que investiga o caso, e acolhido pela Justiça.

   D.M.O. começou a ser investigado pela Polícia Civil (PC) em julho deste ano. Dr. Christiano de Rezende Dib abriu inquérito para apurar denúncias do setor jurídico da APAC, dando conta de que o ex-funcionário teria cometido diversos ilícitos durante o exercício de suas atividades. Os desvios teriam ocorrido desde agosto do ano passado, quando o profissional foi contratado, até este mês de julho, quando ele foi demitido.

DESVIOS DE RECURSOS

   De acordo com a Polícia Civil, o investigado simulava orçamentos para a realização de compras em supermercados, superfaturando preços e utilizando falsas assinaturas. Ele teria também se apropriado de parte das rendas das lanchonetes da associação. As apurações apontam que os desfalques teriam chegado a R$ 2.704,00.

   O inquérito da PC aponta também que D.M.O., durante suas atividades na tesouraria da APAC, utilizou verba de rubrica estatal para fim diverso. O ex-tesoureiro teria empregado o dinheiro destinado à alimentação dos reeducandos atendidos pela entidade para adquirir insumos para as lanchonetes, manipulando a prestação de contas. Ele teria ainda realizado compras em supermercados para si próprio, com verbas da APAC.

   Consoante a Polícia Civil, com o andamento das investigações, que contam com o apoio do delegado regional, Dr. Vitor Hugo Heisler, o valor dos desfalques pode aumentar e novas falsificações podem ser descobertas.

   Participam dos trabalhos investigativos, além do delegado Christiano de Rezende Dib, a escrivã Junia Luiza Gonçalves Silva e os investigadores Leandro Baldisseri, Thiago Dias de Souza e Edson César de Sousa.

 

 

Mais lidas