Postado em: 24/11/2021

Clima quente alerta avicultores sobre a Doença de Gumboro

Texto Comunicação Corporativa

Responsável por mortalidade que pode chegar a 30% do plantel de aves em casos extremamente graves, a Doença de Gumboro torna-se preocupação ainda maior para os avicultores com a chegada das temperaturas mais altas do ano. Isso porque, aproveitando-se do clima quente, o vírus se prolifera e se espalha mais facilmente, podendo afetar seriamente as granjas com problemas de ambiência. "O patógeno causa imunossupressão nas aves, o que abre as portas para a ocorrência de diversas outras importantes doenças", explica a médica veterinária Eva Hunka, gerente de negócios biológicos da Phibro Saúde Animal.

 

Listada pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como uma das patologias de maior impacto econômico da avicultura mundial, a Doença de Gumboro é extremamente contagiosa e resistente, manifestando-se prioritariamente na forma subclínica. "Isto é, não produz manifestações ou efeitos detectáveis por meio de exames clínicos regulares", afirma Eva, que é mestre em medicina veterinária preventiva pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Ela informa que o potencial de prejuízos se agrava com a presença da cepa G15, variante brasileira do vírus. "Esta variante consegue se manter por longos períodos na cama do aviário, muitas vezes resistindo ao tratamento do ambiente e passando de um lote para o outro", destaca a especialista da Phibro.

 

Prova da alta transmissibilidade e resistência do vírus, a doença está espalhada por todo o território nacional. Por isso, o controle sanitário preventivo nos aviários torna-se ainda mais importante. A vacina MB-1, da Phibro Saúde Animal, já imunizou mais de 200 milhões de aves em todo o país contra a Doença de Gumboro. O produto faz parte de uma nova geração de vacinas e possui tecnologia inovadora.

 

Por ser uma vacina de vírus livre, MB-1 tem a capacidade de formar o imunocomplexo naturalmente, usando os próprios anticorpos maternais presentes no pintinho. Assim, promove imunidade precoce cerca de quatro dias antes de outras vacinas. Em aves ciclo de vida curto, como os frangos de corte, esses quatro dias de antecipação da imunidade representam quase 10% da vida das aves. "Por se adaptar aos anticorpos maternais de forma natural, há equilíbrio perfeito entre o antígeno e os anticorpos na formação do imunocomplexo. Assim, a vacina MB-1 oferece resultado único para cada indivíduo, iniciando a proteção no momento exato", complementa Eva Hunka.

 

Para saber mais sobre a doença e a variante brasileira, clique aqui.

 

Sobre a Phibro

A Phibro Saúde Animal é uma das mais importantes indústrias veterinárias e de nutrição animal do mundo. Criada em 1916, nos Estados Unidos, está presente no Brasil há 25 anos, oferecendo produtos para suínos, aves, bovinos de corte e de leite, peixes e camarões, além oferecer soluções para a produção de fontes energéticas renováveis. Para mais informações, acesse: www.pahc.com/brasil.

Mais lidas